spinner

Por favor aguarde

  logo
PT | UK
EEM Online
entrar
registar
icon
EEM Online
×
Utilizador Registado
banner
.
Ainda não é cliente EEM Online? Adira a esta loja virtual aberta só para si 24h por dia e comprove as suas vantagens.

Levada e Central da Calheta  

Comissão Administrativa dos Aproveitamentos Hidráulicos da Madeira 

"É esta obra - a central hidroelétrica da Calheta e a levada Arco da Calheta - Ponta do Pargo - o remate da primeira fase dos aproveitamentos hidráulicos da Madeira.  

Inaugurada a 1 de Junho de 1952 a Lavada do Norte, para beneficiação hidroagrícola dos concelhos da Ribeira Brava e de Câmara de Lobos , tinha-se realizado a primeira parte do programa, na qual está também incluída a levada Machico - Caniçal; a segunda parte verificou-se com a inauguração da central hidroelétrica da Serra de Água (Central de Salazar), e consequentes posto de seccionamento e rede de distribuição de energia elétrica da Ribeira Brava.  

Agora a central e levada da Calheta, em conclusão da primeira fase de um plano que se executou com notável competência dedicação, e uma considerável economia de tempo, posto que, tendo-se iniciado esta primeira fase em Junho de 1947, ela terminou em Julho de 1953. Disto se infere, com natural agrado, que se colocou à ilharga da técnica um carinho deveras excecional.  

Legítima, pois, e espontânea a festa que se viveu na Calheta - neste dia 5 de Julho de 1953, assinalado ainda pela presença de S. Ex.ª o Ministro do Interior, Dr. Joaquim Trigo de Negreiros, expressamente aqui vindo com o fim de inaugurar a obra.  

O povo, como há um ano, no sítio do Monte Gordo e Boa Morte (lá em cima, nas encostas da Ribeira Brava), e como há dois meses, na Serra de Água (também honrada com a visita de um Ministro, o Sr. Eng.º José Frederico Ulrich, titular da pasta das Obras Públicas), - o povo, dizíamos, foi igual, foi o mesmo povo que canta, e baila e ri, quando, sabendo-o compreender, se lhe dá melhor fonte de receita, melhor processo de produção, melhor conforto, mais assegurado porvir.  

E a alegria do povo é força contaminante, que se faz estendedoiro buliçoso e quente ao som de instrumentos e de cantigas.  

A Calheta esteve em festa - num plágio autenticado dos locais já dantes festejados. Fez-se festa, sim, mais uma festa em louvor da água e da luz, que já trouxeram à maioria da população rural recursos inestimáveis.  

O ato inaugural foi dos mais luzidos e solenes até hoje verificados no arquipélagos. Ainda se não erguera o altar para a missa campal, já o povo se comprimia no estreito lugarejo da central e se alongava por toda a estrada aberta para acesso ao edifício.  

E a missa - o Santo Sacrifício da Missa - fez afluir ao local uma mole imensa de gente, trabalhadores da terra e desbravadores de barrocos e sarças, arquitetos de um "solo ingrato e generoso" que é padrão imortalizador do braço humano.  

A missa foi, na realidade, um bálsamo reconfortante, que buliu com a sensibilidade das gentes e impregnou a natureza de um espiritualismo sadio e fresco. Celebrou-a, em representação de S. Ex.ª Rev.ma o Bispo do Funchal, Sr. D. António Manuel Pereira Ribeiro, o vigário-geral da diocese, cónego Manuel Francisco Camacho.  

Seguiu-se a sessão solene, plena de elevação e de entusiasmo, tendo adquirido posição cimeira o improviso do senhor Ministro do Interior, hino triunfal à natureza e ao homem, à paisagem e ao trabalho - verdadeiro canto, colorido e vivo à beleza envolvente do local.  

Depois, a cerimónia da bênção das máquinas, logo se seguindo o funcionamento das turbinas por ligação simbólica do Sr. Dr. Trigo de Negreiros, que premiu, na galeria dos quadros, o botão do grupo número um, inundando de luz todo o ambiente.  

Novos morteiros estralejaram no ar, e uma sinfonia de sons eletrizou o espaço festivo da central.  

Trocaram-se abraços entre o Ministro e os realizadores da obra. Ergueram-se vivas. Recrudesceu a alegria do povo... e a música entoou mais forte.  

Neste momento, o Sr. Dr. Trigo Negreiros abre os canais de irrigação, que levam os benefícios da água por todas as freguesias do concelho, desde o Arco da Calheta à Ponta do Pargo.  

E assim se dá por terminada a terceira e última parte da primeira fase dos aproveitamentos hidráulicos da Madeira. E se foi obra feita para o povo, é ele que por aqui a consagra, bem-dizendo os homens e dando graças a Deus!".  

Calheta, 5 de Julho de 1953.

Eduardo Nunes

 

 

 

Publicado em 30/08/2017 10:08.

Conteúdo não disponível

Conteúdo não disponível em ecrãs de pequenas dimensões

 
Contactos

Serviço de Apoio ao Cliente
Linha gratuita: EEM 800 221 187
Todos os dias, das 08h00 às 00h00.
Endereço Eletrónico: clientes@eem.pt

Av. do Mar e das Comunidades Madeirenses nº 32
9064-501 Funchal Madeira
Portugal

 

Apoio Técnico na Ligação à Rede (PIT)
Linha gratuita: 800 221 187
Dias úteis, das 08h00 às 12h30 e das 13h30 às 16h30.
Endereço Eletrónico: pit_at@eem.pt

Gabinete de Proteção de Dados
Endereço eletrónico: protecaodedados@eem.pt

 
 
© Copyright 2018 - ELECTRICIDADE DA MADEIRA. Todos os direitos reservados.