Central de Baterias da Madeira I - Vitória

Share Image

Ficha de Projeto Saiba mais As opções de política energética assumidas na Estratégia Nacional para a Energia 2020 (ENE 2020), aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 29/2010, de 15 de Abril de 2010,...

    Empresa de Electricidade da Madeira | EEM

    Produzimos, transportamos, distribuímos e comercializamos energia na Região Autónoma da Madeira, de forma ambientalmente sustentável, satisfazendo os requisitos e expectativas dos nossos clientes.

    EEM, Energia, Electricidade, Produção, Transporte, Distribuição, Comercialização, RAM, Região Autónoma da Madeira, Ambiente, Sustentabilidade, Cliente, Serviço, Rede Elétrica, Qualidade

    1. Início
    2. Projetos Cofinanciados
    3. PO SEUR
    4. Central de Baterias da Madeira I - Vitória
    Central de Baterias da Madeira I - Vitória

    Logotipos Poseur 2


     

    Ficha de Projeto Saiba mais

    As opções de política energética assumidas na Estratégia Nacional para a Energia 2020 (ENE 2020), aprovada pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 29/2010, de 15 de Abril de 2010, assumem-se como um fator de crescimento de economia e da promoção das energias renováveis e de criação de valor e de emprego qualificado em sectores com elevada incorporação tecnológica, entre outros, potenciando soluções com elevado valor acrescentado, permitindo diminuir a dependência energética do exterior e reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. Dos cinco eixos da ENE 2020, destaca-se o segundo, que assenta na “Aposta nas energias renováveis”.

    No que tange à Região Autónoma da Madeira (RAM), a política energética regional encontra-se traduzida nos Planos de Ação para a Energia Sustentável das ilhas da Madeira e do Porto Santo, desenvolvido no âmbito do Pacto das Ilhas, ao qual a Região Autónoma da Madeira aderiu em 2011. Estes planos foram aprovados pela Resolução nº 244/2012 do Conselho do Governo Regional da Madeira, reunido em plenário, no dia 29 de março de 2012 (publicada no JORAM, I Série – Suplemento, nº 43, de 5 de abril de 2012), e seguem, no essencial, as linhas de orientação europeia e nacional, constituindo o instrumento potenciador do contributo da RAM para as metas nacionais para as energias renováveis e redução das emissões de dióxido de carbono.

    O sistema elétrico da ilha da Madeira, à semelhança de outros sistemas insulares isolados e sem oportunidade de interligação a uma rede continental, tem a sua produção baseada em centrais termoelétricas, mais especificamente a fuelóleo e gás natural, complementadas por centrais hidroelétricas, eólicas, solares e de resíduos sólidos urbanos.

    Uma maior penetração de fontes de energia renováveis intermitentes na produção de energia elétrica, nomeadamente eólica, encontra-se muito favorecida pela implementação do Projeto de Ampliação do Aproveitamento Hidroelétrico da Calheta (AAHC), sendo necessário complementá-lo com infraestruturas de armazenamento capazes de cumprir a função de regulação primária e secundária deste sistema isolado de pequena dimensão.

    O aumento da quota de produção de energia renovável está dependente da capacidade de operar, de forma segura, o sistema elétrico, com recurso a menos geradores térmicos. No entanto, a remoção de geradores térmicos da rede tem como consequências a redução da inércia do sistema, a redução da potência de curto-circuito e a redução da capacidade de regulação de tensão e frequência. É com base nestas premissas que surge o Projeto-Piloto de Armazenamento de Energia com Baterias na Ilha da Madeira, abreviadamente designado por Central de Baterias da Madeira.

    A Central de Baterias da Madeira, enquadra-se na estratégia regional de maximização do aproveitamento de fontes de energia renovável, da melhoria da eficiência do sistema electroprodutor e da redução das emissões de CO2. Este sistema visa complementar o sistema electroprodutor da ilha da Madeira, com recurso a baterias de tecnologia de iões de lítio e eletrónica de potência avançada, capaz de contribuir com uma potência ativa e capacidade utilizável de 15MW/10MWh, o que permitirá a otimização dos ativos de geração próprios e a integração de mais energia “verde”, aumentando assim a quota de energias renováveis no mix de produção regional.

    A integração deste sistema de engenharia avançada no sistema electroprodutor da Ilha da Madeira irá proporcionar serviços de sistema, através da resposta de potência imediata, permitindo:

    • Reduzir o número mínimo de geradores térmicos (um grupo gerador), que asseguram os critérios mínimos de segurança de exploração da rede;
    • Maximizar a integração de energia renovável, através da folga proporcionada pela redução da componente termoelétrica, reduzindo dessa forma a energia renovável rejeitada;
    • Reduzir a produção de energia térmica e, consequentemente, as emissões de CO2;
    • Reduzir os custos de manutenção do parque térmico (menos um grupo em operação);
    • O apoio no controlo primário de frequência, bem como ajustes temporários de potência visando permitir o adiamento do arranque ou da paragem de 1 grupo térmico, face à incerteza e volatilidade das fontes de energia renovável como a eólica e a fotovoltaica ou ainda no apoio ao arranque do sistema de bombagem;
    • Manter ou melhorar a qualidade de serviço.

    Neste enquadramento, e considerando-se que se trata de um projeto que contribui para fomentar a integração de fontes de energia renovável, enquadrável na alínea c) do artigo 15.º do RE SEUR (Portaria nº 57-B/2015, de 27 de fevereiro) “Projetos-piloto de armazenamento de energia, nomeadamente de origem renovável, excluindo-se sistemas de armazenagem energética por bombagem de água e respeitando um TRL igual ou superior a 8”, a EEM candidatou este projeto, no seguimento da publicação do Aviso POSEUR-01-2019-13, tendo vindo a merecer aprovação, nos seguintes termos:

    • Custo total do investimento: 12 071 milhares de Euros;
    • Investimento elegível: 11 500 milhares de Euros;
    • Contribuição do Fundo de Coesão: 7 475 milhares de Euros.

    Objetivos:

    • Reserva girante N-1 (em caso de perda de uma unidade geradora térmica, a central de baterias deve fornecer a potência equivalente à potência do gerador perdido, durante o tempo necessário até reajustar o nível de produção pelas centrais convencionais, que no limite poderá ser até colocar um novo grupo térmico na rede);
    • Suporte à regulação primária de frequência, de curta duração, em casos de forte variação da carga e/ou das fontes de produção renovável intermitentes;
    • Contributo para captura de energia renovável, através da escolha mais adequada do período para carregar a bateria;
    • Garantia da capacidade de self supply e black-start.

    Atividades/Fases:

    • Em 2018, foram realizados estudos técnicos e simulações para a escolha das soluções e dimensionamento do sistema;
    • Procedimento por prévia qualificação em 2019;
    • Convite para a apresentação de propostas em 2019;
    • Relatório final de análise de propostas em dezembro de 2020;
    • Assinatura de contrato em março de 2021;
    • Realização do projeto de execução a partir de março de 2021;
    • Fabrico dos equipamentos elétricos a partir de maio de 2021;
    • Execução dos trabalhos de empreitada civil a partir de setembro de 2021;
    • Realização dos ensaios FAT a partir de outubro de 2021;
    • Chegada dos equipamentos à ilha da Madeira a partir de dezembro de 2021;
    • Realização da montagem dos equipamentos a partir de março de 2022 (previsão);
    • Execução dos trabalhos de eletrificação a partir de março de 2022 (previsão);
    • Obtenção da Licença de Exploração em abril de 2022 (previsão);
    • Início do comissionamento e dos ensaios SAT a partir de maio de 2022 (previsão);
    • Entrada em serviço experimental em maio de 2022 (previsão);
    • Ato de Receção Provisória em junho de 2022 (previsão);
    • Entrada em serviço definitivo em junho de 2022 (previsão);
    • Fecho da Operação em junho de 2022 (previsão).

    Atualizado em 09/05/2024 15:27 por Francisco Alves.

    Conteúdo não disponível

    Conteúdo não disponível em ecrãs de pequenas dimensões